| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

Ponta Grossa

Page history last edited by PBworks 17 years ago

Tivemos em nossa página!

 

 

 

Horário de entrada

 

Josane Ribeiro Bakai - Castro Lea Tereza Abibe – Ponta Grossa

Lenir - Ipiranga

Rosangela de Fátima Rutcoski - Palmeira

Agradecemos ao Diretor e Vice Diretor do Instituto de Educação “Prof César Prieto Martinez”, pelo apoio a realização da pesquisa.

 

Resumo: O horário de entrada de uma escola deve ser observado como o primeiro momento importante do contexto escolar. A pessoa que diariamente realiza o levantamento dos alunos que se atrasam observa que alguns persistem no ato se importando apenas quando os resultados finais não lhes são positivos. É alto o índice de percentagem daqueles que não assistem a primeira aula e em muitos casos os responsáveis nem tomam conhecimento ou desconhecem o fato. Para tanto é necessário ter um pacto com os discentes embasado pelo Projeto Pedagógico e que esteja contemplado também no Regimento Escola para que sejam evitados transtornos administrativos para a instituição. Portanto para este estudo é pertinente refletir sobre a liberdade, a qual deve ser apreendida pelo aluno desde muito cedo, pois a sua formação é para encontrar-se como pessoa, profissional e cidadão numa sociedade que não perdoa a falta de competência e comprometimento do profissional.

 

Palavras-chave: horário; entrada; liberdade; moral.

 

As teorias sobre a educação analisam, criticam e propõem, mas aqueles que atuam na educação, no cotidiano escolar deparam-se com situações consideradas simples, mas de difícil solução.

 

Para SAVIANI (1983, p. 24) “ embora dirigindo-se apenas a uma parcela da realidade insere-a no contexto e a examina em função do conjunto.” Assim torna-se necessário determinar qual é o problema, realizar um estudo profundo, encontrando meios para fundamentá-lo, sem esquecer que este está relacionado no contexto”.

 

A situação que terá o foco deste estudo é de difícil solução para as escolas –horário da entrada.

 

Essa análise nos leva a refletir, em determinados momentos enquanto educador e até esquecemos que o aluno é fruto de um ato social (a procriação), que ele é sujeito de vida social desde o seu nascimento. Nasce, sem dúvida, desprovido do necessário para subsistir. Para conservar-se na existência, precisa, com efeito, em sua infância, da assistência de outros seres humanos, em geral seus genitores. Donde conclui-se que a sociabilidade é um reclamo da pessoa humana, desde seus primeiros momentos de vida.

 

Embora se liberte de certas dependências de seus semelhantes, continua a depender no domínio dos bens materiais e corporais.

 

Com relação aos bens materiais e corporais, ele não pode satisfazer a todas as suas necessidades ou realizar todas as aspirações, ao contrário precisa do esforço, do trabalho, da ajuda e da cooperação, ou seja, inserir-se no universo das relações que constituem o fenômeno social.

 

Assim para alguns alunos da educação infantil, ensino fundamental, ensino médio e profissionalizante o todo é o foco maior das suas aspirações, porém, ele esquece que nem tudo é possível, para tudo existe um limite, limite este que poderá tolher sua liberdade.

 

Questiona-se então o que é liberdade?

A liberdade para ele será então um problema?

Como atender suas necessidades?

 

Para CHAUI (2002, p.180), o todo na realidade refere-se às necessidades que age sem ele, e o insere na rede de causas e efeitos, condições e conseqüências. Mesmo que eles queiram ou não existem as forças que o governam, são as forças transcendentes superiores denominadas fatalidade.

 

A liberdade então se torna ilusória, pois a realidade é controlada, como no caso da ética, que é determinada particularmente para o ser humano, ela é determinada pela lei que limita seus pensamentos e ações.

 

Como conseguir a liberdade se para a necessidade, fatalidade e determinismo ela não existe?

 

Mas, como viver sem liberdade?

 

SARTRE citado por CHAUI ( 2002, p. 181) explica que “ o que importa não é saber o que fizeram de nós e sim o que fazemos com o que quiseram fazer conosco”.

 

As causas que atuam sobre o homem é o resultado de determinada situação, logo, usando da razão ao tomar conhecimento das causas o aluno será capaz de realizar uma ação transformadora se realizar um projeto de ação, sendo no contexto social, então, um agente atuante e não um agente passivo, assim até poderá construir sua liberdade.

 

Para conseguir sua liberdade o aluno deve agir, para tanto precisará de uma prática que irá exigir sua criatividade, obviamente a vontade terá seu papel preponderante nesta ação, mas não poderá deixar de conhecer e respeitar as leis. Assim como ser atuante irá conquistando sua autonomia, portanto capaz de definir e organizar suas próprias regras.

 

O que realmente fundamenta a liberdade humana é a autodeterminação, mas esta depende da aprendizagem.

 

Assim ao superar o egocentrismo infantil, reconhecer o outro que é a garantia da experiência adulta de reciprocidade, cooperação e solidariedade o aluno superou um momento difícil que resultou na vida moral.

 

O desafio continua, pois em todos os setores humanos “Todas as normas impõem dever ..., são necessárias à ordem social. (SANTOS, p.26 ) ‘... pois, nenhum homem basta a si mesmo, ele vive em sociedade e precisa ter contatos com seus semelhantes para poder atingir seus fins naturais. (TELLES JUNIOR citado por SANTOS, p. 26).

O aluno não pode esquecer que não é um ermitão, mas uma pessoa que tem o dever de conviver com seus familiares, amigos outros, como este estágio é um desafio, torna-se para ele angustiante.

 

A liberdade ética que se refere ao sujeito moral, capaz de decidir com autonomia em si mesmo e aos outros, não é fácil de ser conseguida: barreiras como o egocentrismo, os enganos a intranqüilidade, o medo, sufocado por ideologias, a angústia em decidir e o ato livre que é um encargo pesado do que privilégio, muitos então se acomodam renunciando a ela e aceitam as verdades que lhe são impostas. (ARANHA; MARTINS, 2000, p. 133).

 

O ser que tem liberdade sente seu corpo e “espírito”, vive e transmite a: paz, segurança e trilham com harmonia na profissão escolhida, tanto a família como a escola têm suas responsabilidades pela liberdade conseguida de opção de vida, mas grande parte da parcela é conquistada pela própria pessoa .

 

Neste contexto qual a função real da escola?

 

Esta análise é importante e sempre procuramos uma ou várias respostas. Na década de 90, o Secretário de Educação ABRAHÃO ( 1991, [ ?] ) comentou “... da necessidade de saber ouvir para poder dizer, surgiu este projeto que ora apresentamos” , ele referia-se ao Projeto: Paraná Construindo a Escola Cidadã, ou seja, o Projeto Político Pedagógico (PPP), hoje Projeto Pedagógico ( PP).

 

De acordo com a apresentação do projeto no Capítulo I ( 1991, p. 11), na escola convivem dois componentes fundamentais o instituído e o instituinte ( grifo do autor) que são as formas definidas como: normas ... 0 instituinte ainda é a vida cotidiana, são pessoas que expressam suas vontades ou sejam são livres para decidirem, é o momento da “democratização da escola”, com a participação de todos da comunidade escolar.

 

Afirmam que : o fim da educação é a formação do indivíduo autônomo.

Porém, questionam o que é indivíduo autônomo? E no plano coletivo o que é uma sociedade autônoma. A resposta ao questionamento é imediata: “ Pensa e age automaticamente o indivíduo que não é dominado pelo discurso ou pela vontade do outro”, ou seja é aquele que já construiu a sua liberdade moral.

 

A escola tem que ter sua própria identidade, ela alimenta-se do discurso do outro, mas o reelabora para torná-lo seu, caso contrário será como o indivíduo alienado, e ela não pode esquecer que é responsável pela formação do indivíduo autônomo e esta autonomia o conduzirá para a cidadania.

 

De lá para cá o projeto pedagógico elaborado, todos os anos passa pelo crivo da comunidade escolar que realiza a sua avaliação e as possíveis alterações se necessário, a SEED até certo ponto também direciona a discussão.

 

Dentro desta perspectiva é que levantamos como importante o primeiro momento do cotidiano escolar pertinente no PPP item 7, p. 36, no que concerne aos espaços – tempos da escola ( série, carga-horária, ano letivo, disposição de horários e das disciplinas do currículo).

 

A carga-horária deve ser cumprida pelo aluno e na disposição de horários, este será prejudicado se estiver sempre ou quase sempre ausente do primeiro horário, perdendo sempre a aula da mesma disciplina principalmente se esta for contemplada em dois horários semanais no início do horário diário.

 

Para a realização de levantamentos de dados sobre o primeiro horário, foi escolhido o Instituto de Educação Estadual “ Prof. César Prieto Martinez” – Ensino Fundamental, Médio e Normal ( IE), situado na cidade de Ponta Grossa.

 

O IE tem regularmente matriculados 1800 alunos; 1 diretor, 1 vice-diretor, 4 pedagogas; 3 coordenadoras do curso Normal; 140 docentes; 12 funcionários administrativos e 20 funcionários de serviços gerais.

 

Para o ato da matrícula no IE existe uma INSTRUÇÃO – REGIMENTO ESCOLAR ( I -RE ( transcrito no Regimento Escolar), no item 2 consta o HORÁRIO DE ENTRADA. A Instrução deve ser lida e assinada pelo Pai ou Responsável pelo aluno (a) de menor ou pelo próprio aluno (a) quando for de maior. O Termo de Concordância com as Instruções do Regimento Escolar assinado é arquivado na pasta do aluno (a), mas os responsáveis devem repassar as Instruções àquele que está sob sua responsabilidade, enquanto o de maior estar ciente também de suas responsabilidades perante a escola.

 

Os dados sobre o primeiro momento foram levantados com o resultado de uma pesquisa onde foram respondidos por 18 docentes 12%, 169 discentes 9% e 2/ atendentes da portaria 66%, a pesquisa permitiu constatar a consciência dos entrevistados com relação ao agir colocando em prática a liberdade moral.

 

Os docentes fazem parte das três área de ensino, dos que participaram da pesquisa 55% conhecem a I-RE, 72% que a I –RE deve ser assinada no ato da matrícula, 50% sabem que o aluno (a) tem 10 min após o primeiro sinal para entrar, 83% aceitam justificativas pelo atraso, são unânimes que o atraso prejudica o processo ensino – aprendizagem e 94% consideram a gestão escolar democrática.

 

Quanto aos alunos (as) o resultado foi o seguinte: 65% conhecem a I-RE, 91% que a I –RE deve ser assinada no ato da matrícula, com relação ao turno estão regularmente matriculados 27% - manhã: 20% - tarde e 52% - noite, 89% sabem que o aluno (a) tem 10 min após o primeiro sinal para entrar, 80% já chegaram atrasados, 95% afirmam que o atraso prejudica o processo ensino – aprendizagem e 51% consideram a gestão escolar democrática.

 

Os funcionários responsáveis pela portaria dos que participaram da pesquisa 100% são o sexo masculino, 100% conhecem a I-RE, 100% que a I –RE deve ser assinada no ato da matrícula, 50% trabalha no turno da manhã, 50% tarde e entrada da noite. 100% sabem que o aluno (a) tem 10 min após o primeiro sinal para entrar, 50% permite a entrada quando o grande fluxo de alunos (as) chegam após expirado o tempo devido ao horário do ônibus , são unânimes que o atraso prejudica o processo ensino – aprendizagem e 100% consideram a gestão escolar democrática.

 

Os motivos que levam os alunos (as) a se atrasarem para o primeiro horário são os mesmos para as três categorias pesquisadas, em primeiro plano o ônibus seguido pelo: emprego, chuva, preguiça, trânsito, família, filhos, relógio, desinteresse, saúde, distância da escola, sem vontade, matar aula, falta de dinheiro,influência do colega, má companhia, moradia em outro município, desânimo, devido ao professor que falta , não explica a matéria e só traz xérox , problemas sociais, cigarro, gole, encontro com o sexo oposto,conversa com amigos, irresponsabilidade, estágio devido a distância do CMEI ou escola e para alimentar-se.

 

O levantamento diário realizado é de 30 a 40 alunos que se atrasam diariamente, eles são orientados e têm consciência que são prejudicados pelos seus atos, no final de um mês de atrasos o total será de 150 a 200 alunos que perderam o primeiro horário, até o final do ano letivo 7.500 a 10.000 atrasos.

 

Será que os pais esclarecem aos filhos mesmo de maior de idade sobre a importância das suas responsabilidades escolares, principalmente no cumprimento do horário?

 

Conclui-se com este estudo que desde muito cedo os compromissos daquele que está matriculado na educação infantil, ensino fundamental, médio e profissionalizante devem formar o hábito de cumprir os compromissos e apreenda a cumprir o horário determinado pela escola e como cidadão possa usufruir dos seus direitos, sem esquecer no entanto que primeiro deve cumprir com os seus deveres e o primeiro dever é obedecer os horários estipulados antecipadamente.

 

 

REFERÊNCIAS

 

ARANHA, M. L. de A.; MARTINS, H. P. Temas de filosofia. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2000.

CHAUI, M. FILOSOFIA. São Paulo: Ática. 2002.

Paraná. Secretaria de Estado da Educação. Paraná: Construindo a Escola Cidadã. Curitiba: [?], 1992.

SANTOS, C. R. dos. Ética, moral e competência dos profissionais da educação. São Paulo: Avercamp, 2004.

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.