| 
  • If you are citizen of an European Union member nation, you may not use this service unless you are at least 16 years old.

  • You already know Dokkio is an AI-powered assistant to organize & manage your digital files & messages. Very soon, Dokkio will support Outlook as well as One Drive. Check it out today!

View
 

estagio TB

Page history last edited by PBworks 16 years, 10 months ago

 

 

Artigo sobre o Estágio Supervisionado

Você é o visitante em nossa página!

 

COLÉGIO ESTADUAL WOLFF KLABIN - Ensino Fundamental, Médio e Normal

Curso de Formação de Docentes da Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental

 

 

DIAGNOSTICO DO ESTÁGIO – FORMAÇÃO DE DOCENTES – NÍVEL MÉDIO

 

Prof. Rosângela Menta Mello

 

A pesquisa de opinião foi realizada com professores de Prática de Ensino da escola, a qual passaremos descrever, e logo postaremos o nosso artigo nesta página.

 

 

1 – Divisão de carga horária teórica e prática:

 

A carga horária do supervisor para acompanhar o estágio (3): é considerada boa no primeiro e segundo ano, mas insuficiente no terceiro e quarto ano, quando os alunos começam as direções de classe, planejamentos didáticos e apresentação de suas aulas antes da prática, ficando inviável o supervisor de estágio acompanhar a todos os alunos nas suas direções de classe.

A disposição do aluno para discussão teórica (3): No primeiro e segundo ano falta fundamentação teórica, pois estão apenas iniciando o processo de formação profissional. Nas séries finais existe um grande interesse, mas a escola possui pouco acervo bibliográfico para ser consultado.

O modo como o supervisor exige a relação teoria e prática no estágio (3): é realizada através de observações, participação e direção de classe, posteriormente são discutidos em forma de seminários, debates em nas aulas de prática de ensino.

Auxílio dos professores do núcleo comum (2): falta tempo para planejamento coletivo, trocas de idéias. Existe um interesse por parte de todos em colaborar com o curso e a formação dos alunos, mas não há um espaço de discussão e planejamento. As orientações ocorrem individualmente quando um aluno precisa de ajuda para organizar sua atividade no campo de estágio.

Auxílio dos professores das disciplinas específicas do estágio (3): é necessário mais espaço para reuniões, planejamento para afinamento de idéias e orientações aos alunos. Mas existe uma disposição em colaborar nas atividades propostas.

Distribuição da carga horária teoria e prática (3): existe uma disponibilidade maior para o estágio na educação infantil e nas séries iniciais de 1º e 2º ano, pois as turmas de 3ª e 4ª séries do Ensino Fundamental, normalmente estudam pela manhã, no mesmo horário da maioria de nossos alunos.

 

2 – Critérios exigidos no trabalho de observação da realidade:

 

Cobrança de fundamentação teórica antes da observação (4): são estudados textos e documentos atuais, discutidos, realizados trabalhos diversos para que o aluno se aproprie de uma base teórica para posteriormente observar, participar e dirigir atividades no campo de estágio. O registro é realizado em uma ficha. São organizados momentos para debates e discussões das atividades no campo de estágio, sempre buscando a contrapartida da fundamentação teórica, levando o aluno a perceber também seus valores pessoais e como eles interferem no seu modo de avaliar as situações vividas. A escola possui um jogo de 10 vias de cada texto e/ou documentos para serem utilizados nas aulas.

Cobrança das normas da ABNT (3): este documento é estudado na primeira série e utilizado durante o curso, mas alguns professores ainda precisam se inteirar bem das normas.

Trabalho anterior relacionado à metodologia da pesquisa (2): O aluno é orientado para atuar como um pesquisador, pois a prática de ensino deve ser a fonte de reflexão da práxis, mas nem todos os professores têm esta visão. No primeiro ano são realizados procedimentos para a escrita de artigos, no segundo ano as atividades estão mais relacionadas com a educação especial, na terceira série os alunos iniciam a produção de materiais pedagógicos e no quarto ano para produção de trabalhos de conclusão de curso (não é uma monografia, mas um trabalho sobre um tema que o aluno vai se aprofundar, com base na prática do campo de estágio e propor um referencial teórico para a situação problema selecionada).

Exigência de um planejamento ou projeto (4): todas as atividades são organizadas em forma de projetos, se envolvem uma pesquisa mais detalhada ou uma oficina. Quando são referentes aos temas dos textos/documentos estudados são planejadas, todas previstas no cronograma bimestral de estágio.

Parceria entre as escolas (4): há um ótimo relacionamento com o campo de estágio, estando sempre abertos para as atividades propostas, inclusive a Prefeitura Municipal de Telêmaco Borba inclui em seu edital de concurso público as vagas para os formandos do Curso Normal.

 

3 - Relatório de observação:

 

Depois da observação, a cobrança de um ou mais trabalhos escritos (3): falta um registro mais consistente da observação dos alunos, eles fazem um relatório, mas muitas das anotações são do senso comum, precisam relacionar melhor com o referencial teórico estudado.

Acompanhamento processual dos relatórios ao longo do ano (4): os relatórios são arquivados no portfólio do aluno, de forma que é observado pelo professor supervisor a evolução da qualidade nas anotações e reflexões.

Cobrança das normas da ABNT no relatório (4): apesar de utilizar fichas, que normalmente são preenchidas manualmente, os alunos respeitam a questão de direitos autorais, citando os autores das falas, etc.

Exigência da teoria no relatório de estágio (3): sempre é recomendado o registro da práxis, mas ela acontece com mais evidência a partir do segundo semestre, quando os alunos do 1º ano já têm uma caminhada de reflexões. Observa-se este aspecto melhor no relatório final do bimestre.

Análise de PPP da escola (1): os alunos observam o projeto pedagógico na primeira e segunda série, mas precisamos elaborar um instrumento de observação.

 

4 - Relatório final da intervenção:

 

Cobrança de fundamentação teórica na elaboração escrita (3): esta fundamentação será maior a medida que o aluno avança nas séries no curso normal, mas cabe ao professor estar sempre proporcionando reflexões sobre a práxis.

Cobrança das normas da ABNT (3): os alunos procuram utilizar as normas, que devem ser corrigidas pelo professor supervisor.

Trabalho anterior relacionado à metodologia da pesquisa (2): nem todos os professores realizam uma sistematização mais evidente de pesquisa científica, precisamos melhorar neste ponto.

Exigência da teoria no relatório de estágio (3): sempre é recomendado o registro da práxis, mas ela acontece com mais evidência a partir do segundo semestre, quando os alunos do 1º ano já têm uma caminhada de reflexões. Observa-se este aspecto melhor no relatório final do bimestre.

Análise de PPP da escola (1): os alunos observam o projeto pedagógico na primeira e segunda série, mas precisamos elaborar um instrumento de observação.

Parceria entre as escolas (2): há um ótimo relacionamento com o campo de estágio, estando sempre abertos para as atividades propostas, mas precisamos rever a questão de divulgação de pesquisas. Normalmente, o professor da sala de aula observada faz a leitura do relatório de observação/participação no final da aula e assina.

 

 

5 - Modo como a escola procura resolver ou amenizar os principais problemas diagnosticados na efetivação do estágio supervisionado:

 

Aluno que trabalha (2): ele procura adaptar o horário de trabalho com o de prática de ensino. Normalmente tem a dispensa de pelo menos um período para estas atividades.

Evasão escolar (2): a evasão escolar é um caso sério, normalmente o aluno não se adapta as atividades propostas pelo curso, percebe que não tem o perfil para educador, tem dificuldades de horários, etc. Mas há interesse por parte da direção e equipe pedagógica da escola em acompanhar os alunos e procurar resolver os casos de evasão quando há possibilidades (tivemos alunos que retornaram após alguns dias, matrículas tardias para preencher as vagas).

Falta de campo para estágio (4): não temos este problema.

Imaturidade de alguns alunos e pouca experiência (3): esta situação é resolvida com o tempo, com um processo de conscientização, de leitura de textos, de reflexões coletivas, com o acompanhamento do professor supervisor no campo de estágio.

Carência de material escolar (3): a escola sempre fornece material para os alunos carentes, nosso maior problema ainda é com o xérox das matérias que não tem o livro (específicas), para o estágio é deixado um conjunto de 10 jogos de textos/documentos para serem utilizados durante as aulas, os professores se revezam para os textos.

Condições sócio-econômicas dos alunos (3): em alguns casos é servido um lanche na hora do almoço para que estes possam fazer as atividades de prática de ensino, pois moram longe e eles vem a pé para a escola. No campo de estágio tomam o lanche que é servido aos alunos pequenos.

Particularidades do estagiário (4): a escola sempre procura resolver os problemas e/ou necessidades que o aluno tem necessidade.

Poucas expectativas de emprego (4): não temos este problema, muitos dos alunos já estão trabalhando em escolas particulares e em programas do Governo Federal.

Rotatividade de professores (2): o curso tem poucos professores efetivos atuando, sendo que a maioria são professores com aulas extraordinárias do cargo de pedagogo ou de educação especial. A rotatividade é um problema sério, principalmente com a mudança do sistema de escolha de aulas, pois quando o professor se integra da proposta e dos cursos de capacitação, acaba deixando as aulas ou as perde para outro com uma classificação melhor.

Estágio não remunerado para o aluno e não subsidiado para o supervisor (1): faz muita falta, principalmente para os alunos, que ainda são considerados por muitos como mão-de-obra barata, fazendo atividades não remuneradas, gastam com seus recursos os materiais que vão utilizar no campo de estágio (crachá, cartazes, textos, etc.). Quanto ao professor, este já tem consciência ao assumir as aulas que não receberá ajuda de custo para fazer este acompanhamento, mas como nossa cidade é pequena, o auxílio transporte que recebe cobre as despesas.

Alto número de alunos por sala (2): este problema fica evidente na terceira e quarta série, quando eles começam preparar a ação docente, falta tempo para acompanhar cada aluno no planejamento, para a direção de classe para os colegas assistirem e no campo de estágio, pois todos vão para a escola no mesmo dia.

 

6 - Meios de divulgação dos resultados obtidos no estágio:

 

Eventos organizados pela escola (2): são organizadas pela escola, como um todo, feiras e exposição de trabalhos, precisamos nos organizar melhor neste quesito.

Eventos organizados por outros órgãos da sociedade (3): sempre participamos quando temos oportunidade, este ano foi organizado um evento em parceria com a Faculdade de Telêmaco Borba, com oficinas desenvolvidas por professores do Curso Normal e participação tanto das alunas do Curso Normal quanto as da Faculdade. Apresentamos trabalhos em um evento da Indústria Klabin do Paraná para socialização de atividades na área de Educação Ambiental e vamos participar de um evento junto com a Prefeitura Municipal de Telêmaco Borba, por ocasião do Dia do Meio Ambiente.

Publicação dos resultados (4): temos uma página na internet com todo o material que disponibilizamos para os alunos e outros educadores, no endereço http://cewk.pbwiki.com

Parceria com ONGs, Universidades e outros órgãos (3): idem ao anterior.

Critérios de avaliação do estágio e da aprendizagem dos alunos:

 

7 - Critérios de avaliação do estágio e da aprendizagem dos alunos:

 

Avaliação do estágio pelos professores da escola (3): é realizado durante o conselho de classe no final do bimestre.

Avaliação coletiva envolvendo os estagiários (3): são realizadas discussões durante o bimestre em sala de aula, procurando levar o aluno a refletir sobre suas atitudes, aprendizagens, procurando também avaliar as aulas e o desenvolvimento do que foi proposto.

Avaliações bimestrais pelo supervisor (3): são estabelecidos critérios de avaliação no início do bimestre, previsto no cronograma de estágio, em conjunto com os alunos, vai desde a participação das atividades propostas, a entrega de trabalhos, fichas, pesquisas, planos de aula, ação docente, conforme a série, o bimestre, etc.

Reunião entre professores e alunos da escola (1): isto não acontece em nossa escola.

Retorno para a escola que recebeu o aluno-estagiário (2): este ano estamos iniciando esta prática.

Avaliação dos profissionais da escola pelos alunos-estagiários (3): estamos iniciando a atividade, inclusive com uma ficha de auto-avaliação onde o estagiário se auto-avalia, e avalia a disciplina, o professor supervisor, etc.

 

 

8 - Comentem como trabalham os seguintes eixos sugeridos pela SEED na prática educativa:

 

1ª série – “Sentidos e significados do trabalho do professor-educador”.

 

• Carga horária e condições do supervisor para acompanhar o trabalho de observação com o estagiário (4): quando é possível colocar todos os estagiários em uma escola, é possível acompanhar os alunos.

• Relação da observação com a teoria sobre o tema (4): sempre é trabalhado um texto/documento sobre o que o aluno vai observar, relacionando com as disciplinas integradas do curso antes da observação.

• Trabalhos realizado enfocando o assunto (4): são realizados projetos de pesquisa sobre a formação do professor, suas funções, tipos mais comuns e o seu sentido dentro do curso.

 

2ª série – “Pluralidade cultural, diversidade, desigualdades e educação”

 

• Carga horária e condições do supervisor para acompanhar o trabalho de observação com o estagiário (4): quando é possível colocar todos os estagiários em uma escola, é possível acompanhar os alunos.

• Relação da observação com a teoria sobre o tema (4): sempre é trabalhado um texto/documento sobre o que o aluno vai observar, relacionando com as disciplinas integradas do curso antes da observação.

• Trabalhos realizado enfocando o assunto (4): são realizados projetos de pesquisa sobre a formação do professor, suas funções, tipos mais comuns e o seu sentido dentro do curso.

• Formação dos profissionais da educação especial (4): os professores supervisores que atuam nesta série tem especialização nesta área e atuam como professores na educação especial.

• Materiais adequados (3): a nossa escola tem um Centro de Educação Especial e possui muitos recursos tais como: dois laboratórios de informática (um aguarda o Paraná Digital), laboratório de química e de ciências, anfiteatro com capacidade para cem pessoas, biblioteca ampla, uma quadra coberta e duas externas, sala de vídeo. Mas ainda precisa de materiais mais específicos para as diversas áreas de portadores de necessidades especiais.

• Condições estruturais da escola (3): tanto a nossa escola como as escolas municipais estão todas adaptadas para cadeirantes, mas ainda temos algumas necessidades para deixa-la em plenas condições de acesso e permanência.

 

3ª série – “Condicionantes da infância e da família no Brasil e os fundamentos da Educação Infantil – Artes, brinquedos, crianças e a educação nas diferentes instituições”.

 

• Carga horária e condições do supervisor para acompanhar o trabalho de intervenção com o estagiário (2): a carga horária para este acompanhamento é muito pequena, considerando que são 5h/a para atendimento de 20 alunos por semana, para preparar material e aplicar a ação docente.

• Relação da intervenção com a teoria sobre o tema (4): sempre é trabalhado um texto/documento sobre o que o aluno vai observar, relacionando com as disciplinas integradas do curso antes da observação.

• Trabalhos realizados enfocando o assunto (4): são realizados projetos de oficinas de materiais didáticos na diversas áreas do conhecimento, aplicados no campo de estágio.

 

2ª Parte: O documento da SEED em relação a 4ª série recomenda que “o futuro professor desenvolva de fato a práxis profissional, elabore uma prática educativa, a partir das teorias estudadas, transformando simultaneamente as práticas e as teorias e alcançando a ação política (práxis), entendida como a essência de toda prática educativa” (SEED, 2006, p. 38). Nesse sentido, comentem como é desenvolvida essa proposta nas escolas.

 

Já existe uma práxis quando acontece o planejamento bimestral e semestral, estabelecendo o cronograma de atividades a serem realizadas, prevendo atividades no campo de estágio e o estudo/reflexão de textos/documentos selecionados, conforme o tema do período. Os alunos participam da elaboração do cronograma de atividades.

No primeiro bimestre foi desenvolvido um projeto de aprendizagem com a turma, uma metodologia de estudo a partir de dúvidas temporárias e certezas provisórias do grupo, utilizando recursos on-line, postados no seguinte endereço: http://projetodeaprendizagem.pbwiki.com, foi revisado o tema planejamento escolar (PPP, anual, bimestral e de aula).

No segundo bimestre começamos as atividades no campo de estágio.

• Os alunos participaram na escola uma tarde, solicitaram dois temas para direção de classe: de Português e metodologia do ensino de Geografia. O estágio é realizado em duplas (vão dirigir duas aulas).

• Na seqüência da observação, os alunos planejaram suas aulas em casa.

• Apresentaram a aula para a sua turma, relatando como vão desenvolver a aula, o plano de aula e os recursos didáticos que irá utilizar, tivemos apenas 5h/a para que os 18 alunos se apresentassem, após a exposição e mesmo durante, os colegas e o professor supervisor ia fazendo intervenções, questionamento como seria possível melhorar o que foi proposto, sempre os colegas colaboraram sugerindo idéias, recursos didáticos, apresentando dúvidas quanto a viabilidade de alguns recursos apresentados. No início se mostraram um pouco reticentes em ter que socializar com toda a turma a sua proposta de trabalho, mas no decorrer, observaram o quanto cresceram com as sugestões dos amigos. Sempre foi enfatizada a necessidade de planejar coletivamente, de aprender a ouvir a opinião dos outros e ter seu ponto de vista bem fundamentado.

• Na semana seguinte os alunos vão dirigir a ação docente

• Na próxima semana vão participar no campo de estágio.

• Os alunos retornam para as discussões do que foi realizado e já apresentam a próxima aula que será discutida como a anterior.

• Direção e classe.

• Retornam para uma oficina sobre a TV escola e discussão das atividades realizadas.

Se observarmos o cronograma do 4º ano verificamos que a carga horária é muito pequena para o planejamento e acompanhamento das atividades prática.

Para facilitar a compreensão anexamos a este relatório o projeto de Prática de Ensino e a divisão de atividades, por série, de forma que ficará claro o trabalho proposto na escola.

Salientamos que estamos num processo de construção, que precisamos de professores comprometidos com o processo de formação dos alunos do Curso Normal, de reuniões periódicas para articulação da proposta de adequação curricular com as disciplinadas integradas do curso.

Temos uma proposta de trabalho de conclusão de curso para esta série, já comentada anteriormente, na tentativa de incentivar a pesquisa e a produção científica.

Todo o trabalho realizado com estes alunos é permeado de tecnologias, desde os recursos básicos, como cartazes feitos dentro das normas de comunicação gráfica a uso de computadores e internet. Todo material está disponibilizado on-line para acesso do aluno e dos professores.

 

Faça download do texto completo com os anexos

 

visitantes...

 

Comments (0)

You don't have permission to comment on this page.